SOBRE O AMAZONIA LIVE

O Amazonia Live – Projeto Social do Rock in Rio para todas as edições do festival até 2019, foi apresentada em uma grande campanha de mobilização que incentiva a população a abraçar a causa, sob o mote “Mais do que Árvores, Vamos Plantar Esperança”.

Segundo a Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg), de 1500 a 1977, cerca de 4,7% da Amazônia foi desmatada. Só nos últimos 36 anos, este número subiu para 18%. Até 2013 o Brasil perdeu, segundo a Raisg, 632 mil km2 de florestas. O desmatamento afeta o clima e o equilíbrio das chuvas. Afeta diretamente quem está perto e também quem vive bem longe da floresta. E o que o Rock in Rio tem a ver com isso? Tudo. 

Para o Rock in Rio, a música é uma linguagem universal que une pessoas em todo o mundo através da emoção e é uma importante plataforma para causas socioambientais. O pilar de sustentabilidade do festival — Por Um Mundo Melhor — foi criado em 2001 e já beneficiou milhares de pessoas no Brasil, Portugal, Espanha, Estados Unidos e em diversos outros países. Os investimentos são provenientes da venda de ingressos e de ações promovidas junto aos parceiros. Agora, a organização do festival inicia um movimento global que ajudará na restauração florestal da Amazônia e que tem como objetivo maior chamar a atenção das pessoas para a importância do consumo consciente dos recursos naturais do planeta e convoca-las a serem agentes ativos no combate às alterações climáticas através da sua própria mudança de comportamento.

A região da Amazônia é estratégica, pois abriga a mais importante reserva de biodiversidade do mundo, com papel fundamental na redução do impacto do aquecimento global. A ação vai restaurar áreas desmatadas nas cabeceiras e nascentes do Rio Xingu.

“Pela primeira vez estamos adotando globalmente uma mesma causa que será promovida em todos os países onde o Rock in Rio está, e não só, e se estenderá por várias edições do evento. Estamos garantindo o plantio de um milhão de árvores e, com a ajuda de marcas parceiras e dos fãs do festival, queremos chegar a cerca de 3 milhões de novas árvores na região. Com esta ação, vamos chamar a atenção do mundo inteiro para um problema urgente e mostrar que é possível plantar, sobretudo, esperança. Para se ter uma ideia da importância disso, segundo dados do ISA, uma floresta com 3 milhões de árvores transpira a cada dia cerca de 48 milhões de litros de água. Outro dado importante e que merece a nossa atenção é que a Amazônia tem 20% de toda a água doce do planeta e isso não pode se perder”, explica Roberto Medina, presidente do Rock in Rio.

No dia 27 de agosto, o Rock in Rio apresentou um espetáculo sem precedentes que colocou a causa em grande evidência. Um palco flutuante foi montado no Rio Negro, em Manaus (AM). A apresentação contou com o tenor lírico Plácido Domingo, com a Orquestra Amazonas Filarmônica, juntamente com o Coral do Amazonas, e ainda com o tenor Saulo Lucas (*1) interpretando a canção “Canto Della Terra”. A abertura teve Ivete Sangalo acompanhada também pela orquestra.

Paralelamente, o Rock in Rio lançou uma campanha publicitária estrelada pelo ator Marcos Palmeira. A mensagem é um alerta para a importância do consumo consciente dos recursos naturais do planeta e uma convocatória para que cada pessoa seja agente ativo no combate às alterações climáticas através da sua própria mudança de comportamento.  A campanha estará em todas as grandes mídias e criará também uma gigantesca mobilização nas redes sociais, convidando também cada pessoa a plantar uma árvore na Amazônia.

Foram investidos mais de R$ 28 milhões nessa iniciativa, incluindo custos de plantio, assistência técnica, monitoramento e gestão, campanhas de mídia, produção do show e gastos logísticos.

A iniciativa do Rock in Rio para o plantio de árvores já conta com parceiros, como Itaú, Manaus Luz, Manaus Ambiental, Banco Mundial, Universidade Estácio de Sá, e Gol. Além das um milhão de árvores garantidas pelo festival, os parceiros também já se comprometeram com a causa elevando este número para 2,1 milhões.

A parceria da Estácio com o Rock in Rio teve início em 2011 e vem ganhando força ao longo dos anos. Segundo Claudia Romano, diretora de responsabilidade social e parcerias da Estácio, a universidade vai doar 100 mil árvores e mobilizar 500 mil alunos e 15 mil colaboradores a fazerem o mesmo. “Se cada um plantar uma árvore já será um grande feito. Nossa missão de educar para transformar se expressa também na formação de profissionais e cidadãos conscientes e comprometidos”, disse.

Já a Manaus Ambiental tem em sua missão o comprometimento natural com causas que incentivem o respeito e a preservação do meio ambiente. “O projeto Amazônia Live traz um apelo global para responsabilidade que todos devemos ter em relação à natureza. A Concessionária utilizará os meios disponíveis, como as contas de água, para levar o recado que orienta esta iniciativa: nossos atos determinarão a continuidade da Amazônia com todo o seu esplendor”, afirma Sergio Braga, diretor-presidente da Manaus Ambiental.

De acordo com Medina, “estamos construindo uma parceria com o Banco Mundial, no âmbito do Programa Áreas Protegidas da Amazônia – ARPA, onde serão plantadas, no mínimo, 1 milhão de árvores em áreas protegidas da floresta Amazônica”.

Para este projeto, o Rock in Rio se associou a um time de peso, garantindo assim o melhor resultado. A parceria envolve o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) e o Instituto Socioambiental (ISA) e visa contribuir para a restauração florestal, a recuperação de nascentes e matas às margens dos rios e gerar renda de forma participativa e inclusiva às comunidades locais.

Para o plantio das árvores será utilizado um mix de sementes chamado de muvuca, técnica escolhida e aprimorada pelo Instituto Socioambiental (ISA) para reproduzir o processo natural da floresta. A técnica utiliza semeadura direta e a experiência de plantadores de árvores do Xingu-Araguaia prova que plantar as sementes diretamente no chão, no seu local definitivo, é o melhor método para a maioria dos tipos de árvores. Durante os três primeiros anos após o plantio serão publicadas notícias e relatórios técnicos sobre a situação das árvores e da floresta recuperada, garantindo transparência e monitoramento para quem acreditou nesta ideia.  A experiência de plantadores de árvores do Xingu-Araguaia prova que plantar as sementes diretamente no chão, no seu local definitivo, é o melhor método para a maioria dos tipos de árvores.

MAIS DE 200 MIL ÁRVORES JÁ FORAM PLANTADAS NO MATO GROSSO DO SUL

O plantio de mais de 200 mil árvores do projeto Amazonia Live, do Rock in Rio foi realizado na Fazenda Rancho 60, em Bom Jesus do Araguaia (MT).

Mais de uma tonelada de sementes foi plantada na semeadura inaugural para atingir o objetivo de reflorestar as áreas degradadas e proteger as nascentes da bacia do rio Xingu. São quase 200 mil hectares de matas nas margens do rio desmatadas.

Além de recuperar a área desmatada da floresta, o projeto ajudará a preservar a água na região e a fortalecer a economia local, uma vez que as sementes utilizadas no plantio são fornecidas pela Rede de Sementes do Xingu, formada por coletores que trocam e vendem sementes de árvores e outras plantas nativas da região. “A rede é uma articulação de cerca de 500 indígenas, agricultores familiares, pesquisadores, organizações parceiras que tem como objetivo reunir os saberes e a diversidade dos povos para coletar, conhecer e valorizar as sementes da floresta”, explica Rodrigo Junqueira, coordenador do Programa Xingu do ISA.

O plantio também marcou a segunda Expedição da Rede de Sementes do Xingu, iniciativa que reuniu mais de 50 pessoas durante três dias e que percorreu toda a área de plantio de sementes florestais. O momento foi ainda de grande troca de conhecimento entre os coletores sobre as diferentes técnicas utilizadas na coleta e no beneficiamento das espécies. Um dos pontos altos foi a preparação e o plantio da muvuca do projeto Amazonia Live, no último dia do encontro. A técnica da muvuca, utilizada no plantio de árvores, é uma mistura de sementes nativas e de adubação verde com areia que forma um insumo homogêneo propício para a formação da estrutura da floresta. Nessa mistura, há espécies que vão crescer logo no primeiro mês, pois germinam rapidamente, e logo formarão a cobertura do solo.

POR UM MUNDO MELHOR

Por um mundo melhor: desde 2001, o Rock in Rio já investiu cerca de R$ 70 milhões em projetos sociais e ambientais

·         304 mil árvores plantadas até 2016 em projetos de reflorestação

·         100% de compensação das emissões do evento de gases com efeito estufa

·         Mais de 200 entidades apoiadas

·         Mais de 56 mil beneficiários apoiados anualmente em todo o mundo

·         100 Salas de aula em comunidades carentes do Rio de Janeiro

·         28 Projetos da UNESCO financiados

·         1 Escola na Tanzânia

·         1 Centro de saúde no Brasil

·         14 Salas sensoriais para cegos e jovens com deficiências

·         760 Painéis solares instalados em 38 escolas portuguesas. Este projeto ganhou o prémio internacional "Energy Globe Awards“

·         10 Salas de música escolas públicas brasileiras

·         2.200 Instrumentos doados a 150 ONGs brasileiras

·         40 Jovens formados em assistente de Luthier

·         80 bolsas de estudo de dois anos em educação musical  

·         15.632 refeições e 37.000 sanduíches doados a instituições que apoiam famílias carentes em Portugal e nos EUA

A cada edição, o Rock in Rio se compromete a implementar:

  • Certificação na norma ISO 20121 – eventos sustentáveis

·         Plano de sustentabilidade para a organização, patrocinadores e fornecedores

·         Compensação da pegada carbônica 

·         Abrangente campanha sobre mobilidade sustentável

·         Plano de mobilidade do público, incluindo espaços e acessos diferenciados e preparados para pessoas com mobilidade reduzida

·         Campanhas de sensibilização sobre boas práticas de sustentabilidade desenvolvidas para artistas, patrocinadores, fornecedores, público e comunidade

·         Entrega de certificados Carbono Zero aos artistas, garantindo que o Rock in Rio compensa a sua pegada carbônica

·         Exigente plano de gestão de resíduos para reduzir, reutilizar e reciclar o máximo de resíduos possíveis – alcançando taxa média de reciclagem global de 70%

·         Doação de materiais reciclados ao final da cada edição do evento

·         Doação de sobras alimentares em boas condições em Portugal e nos EUA

·         Prêmio para patrocinadores e fornecedores com melhores práticas de sustentabilidade na Cidade do Rock – Rock in Rio Atitude Sustentável