Quem era adolescente em 1982 curtiu, cantou e vibrou com o refrão de “Você Não Soube Me Amar”, compacto comprado por mais de um milhão de pessoas em todo Brasil, cujo Lado B só trazia o “Nada, nada, nada, nada...” dos vocais de Evandro Mesquita. Absolutamente inovadora, irreverente, original e a cara da juventude, a Blitz surgiu no Circo Voador, ainda no Arpoador, e transformou tudo a partir dali. Em 1985, primeira edição do Rock in Rio, a banda tocou dois dias e agora, em 2017, retorna para um encontro com Alice Caymmi e Davi Moraes com todo o climão dos anos 80 para o público do palco Sunset, mas com um repertório pouco conhecido, do novo trabalho “Aventuras II”, de inéditas do grupo.

O convite para que Alice Caymmi esteja na apresentação foi feito diretamente por Evandro Mesquita, líder da Blitz.

Para Zé Ricardo, diretor artístico do Palco, a entrada de Alice Caymmi neste encontro está totalmente conectada ao novo repertório da Blitz e da cantora, que traz uma nova roupagem e invade o mundo das batidas do funk.

Sobre Blitz

Após conquistar o Brasil com os dois primeiros discos, As Aventuras da Blitz e Radioatividade, a lançou Blitz 3. O grupo se desfez em 1985, mas voltou a se reunir para os discos lançados em 1997 e 2009 e a formação atual mantém três integrantes da formação original: o cantor Evandro Mesquita, o baterista Juba e o tecladista William Forghieri. Fernanda Abreu e Lobão são os ex-integrantes mais famosos da Blitz. No ano passado, após 35 anos, e algumas formações a Blitz voltou com força total e de volta aos palcos do Circo Voador (onde estreou), gravou Aventuras II — uma sequência ao primeiro trabalho do grupo. Desta vez o álbum, lançado em dezembro, traz apenas músicas inéditas.

Alice Caymmi

A compositora Alice Caymmi, neta do “mestre” Dorival Caymmi, está na estrada da música desde os 12 anos, quando fez sua primeira gravação profissional, intitulada “Seus Olhos” — na ocasião gravada por Nana Caymmi. O primeiro álbum de estúdio veio em 2012, composto por inúmeras canções próprias. Em 2014,  Alice fez novas construções para canções conhecidas do público como “Homem” de Caetano Veloso. As diversas inovações marcaram o segundo álbum da artista, Rainha dos Raios, lançado em 2014, que conta com o talento de Strausz e os seus beats eletrônicos para recriar as músicas. Dona de uma poderosa voz, ela fez parceria com Michael Sullivan na composição de Meu erro, single que compõe seu último disco. Dotada de muita criatividade e com uma sonoridade marcante, a artista renova canções de importantes cantores, de Maysa a Björk. O ano de 2015 foi marcado pela sua primeira apresentação no Rock in Rio onde cantou com o maestro Eumir Deodato, no Palco Sunset, e ainda pelo início da produção de seu primeiro DVD ao vivo. E agora, em 2017, Alice, fez uma revolução no seu repertório e traz uma nova roupagem, que deixa ali guardadinha a MPB e invade o mundo das fortes batidas do funk.  A mudança pode ser vista logo no lançamento do single “Louca”, no qual ela vem mais rosa e com uma presença marcante recheada de humor.

Davi Moraes

A história de Davi Moraes está misturada com a do Rock in Rio. Esteve em todas edições. O guitarrista fez seu debut na edição de 1985, aos 12 anos, ao lado do pai Moraes Moreira. No Palco Sunset, Davi tocou no Baile do Simonal, em 2011, com Pepeu Gomes e Roberta Sá, em 2013 e ainda fez parte da Homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro, na última edição. Sua carreira está diretamente ligada a grandes nomes brasileiros, como Caetano Veloso, Marisa Monte, Ivete Sangalo, Daniela Mercury e Vanessa da Mata, com quem o artista já atuou como guitarrista, compositor, arranjador e também produtor musical. Hoje, Davi é guitarrista de Maria Rita, com quem é casado, e está gravando um novo CD com previsão de lançamento para o segundo semestre deste ano.