A junção da cantora Céu com o grupo Boogarins tem em comum o estilo psicodélico do seu som.

Cantora Céu ousa com a sua atmosfera psicodélica

Foi em 2002, três anos antes de ter suas primeiras três indicações ao Grammy com seu primeiro disco (Céu), que a carreira da cantora Céu começou de verdade. Mas em 2005, de fato, com as indicações ao Grammy e o convite para integrar a série Hear Music Debut, da rede norte-americana Starbucks, ganhou reconhecimento nacional e internacional, passando a ser conhecida como uma artista que fugia de todos os padrões já conhecidos. “Céu” vender mais de 200 mil cópias nos Estados Unidos e alcançou a posição mais alta no Top 200 da Billboard. Naquela época, a música tinha um perfil bastante ligado à MPB.

Em 2009, lançou seu segundo álbum, “Vagarosa”, onde é possível encontrar traços claros de inspiração na música jamaicana. Com o álbum, emplacou o segundo lugar na parada de World Music, da revista Billboard.

Em 2012, estreou seu terceiro álbum, Caravana Sereia Bloom, com o qual percorreu o mundo com mais de 300 shows em 20 países. Recentemente, em 2016, lançou o álbum Tropix, com notas bastante diferentes do seu primeiro álbum. As músicas têm uma pegada mais psicodélica.

Banda goiana Boogarins já se apresentou no Rock in Rio Lisboa

Boogarins é uma banda de rock psicodélico, formada em 2012, em Goiânia — conhecida por iniciar muitas bandas indie —, pelo cantor e guitarrista Fernando “Dinho” Almeida e o também guitarrista, Benke Ferraz. A banda é um quarteto, que conta ainda com Ynaiã Benthroldo na bateria e Raphael Vaz no contrabaixo.

Em 2016, a banda fez mais de 100 shows em seis países diferentes. Um dos destaques da turnê internacional foi a performance no palco indie do Rock in Rio Lisboa, onde apresentaram um rock viajado, pelo som psicodélico e com improvisos que fez a cabeça de críticos brasileiros e gringos. A banda goiana insistência ainda em fazer turnês fora do Brasil cantando em português – já levou o rock alternativo brasileiro para a América do Norte e para a Europa, sem assinar com uma grande gravadora, sem tocar em rádios e sem estar em trilhas de novelas ou programas de TV. Em 2017, pretendem lançar o terceiro disco da carreira, depois de “Manual” (2015) e “As Plantas Que Curam” (2013).