Miguel, cantor de R&B consagrado nos EUA, vem ao Brasil pela primeira vez mostrar seu som carregado de soul e o que há de mais moderno em termos de Rhythm & Blues (R&B).  O encontro conta com Emicida também.

“Miguel e Emicida fazem música com cara de agora e é isso o que vamos mostrar neste encontro que o RIR está trazendo pela primeira vez ao Brasil. Inventividade, talento e paixão pela música negra de hoje e sempre é o que Miguel e Emicida vão mostrar de sobra no palco Sunset”, promete o diretor artístico Zé Ricardo.

Sobre Miguel

Nascido na Califórnia em 1986, Miguel Jontel Pimentel iniciou sua carreira fazendo parte de pequenos grupos locais e equipes de produtores, logo aos 16 anos de idade. Depois de muito trabalho e colaborações, ele assinaria contrato como artista solo em 2007.

Dono de três hits #1 na Billboard americana nos últimos sete anos, Miguel chega aclamado pela crítica, pelo público e com diversos prêmios e indicações em tão pouco tempo de carreira. Ele lançou seu primeiro disco solo, "All I Want Is You", em 2010. A faixa-título chamou a atenção do público e logo transformou-se em hit. Mas foi seu segundo álbum, "Kaleidoscope Dream", de 2013, que consolidou o sucesso de público e ganhou respeito da crítica especializada. Dele, vieram mais canções de sucesso, como "Adorn", "How Many Drinks", "Do You...", e "The Thrill".

Em 2013, Miguel foi nomeado para um total de cinco Grammy Awards e levou o de Melhor Canção de R&B, por "Adore", que chegou a ficar 23 semanas em 1º lugar nas paradas de Hip-Hop/R&B da Billboard. O mais recente trabalho, "Wildheart", lançado em 2015, está repetindo o sucesso dos discos anteriores, tendo recebido mais duas indicações para o Grammy 2017, de Melhor Álbum Urbano Contemporâneo e Melhor Canção de R&B, para "Coffee".

Sobre Emicida

Leandro Roque de Oliveira é Emicida. Rapper, jornalista e produtor musical, o artista começou sua carreira em batalhas de improviso, onde ganhou o apelido, que significa a fusão das palavras “MC” e “homicida” por ser, segundo seus amigos “um assassino que matava os adversários através de suas rimas”. Mais tarde, o próprio rapper criou uma sigla para seu nome: E.M.I.C.I.D.A – Enquanto Minha Imaginação Compuser Insanidades Domino a Arte. 

Em 2005, Emicida lançou seu primeiro single “Triunfo”, acompanhado de um videoclipe que tem mais de 8 milhões de visualizações no YouTube. Em 2011, ele concorreu a três categorias do Video Music Brasil e venceu como “Melhor Clipe” e “Artista do Ano”, sendo escolhido por críticos musicais, cineastas e VJ’s.

Emicida faz parte da história do rap nacional. Foi através dele que o gênero musical passou a dialogar com outros ritmos da música brasileira, seja no samba de breque ou nos repentes nordestinos interpretados com um estilo muito particular tanto em suas músicas quanto nos shows do artista.