A mistura do vozeirão e extravagância de Ney Matogrosso se confundirá com o rock melódico de Nação Zumbi, banda consagrada entre o público jovem. A atração foi desenhada a dedo pelo diretor artístico Zé Ricardo, que sabia da vontade de Ney em tocar com Nação desde 2012, quando o artista estava em turnê com “Atento aos Sinais”. Para o público, o mais arrebatador deste encontro será o resgate de Secos e Molhados, grupo da década de 70 que trazia Ney como um dos vocais e que será reverenciado pelos artistas no Sunset.

“Desde 1974 os fãs não ouvem mais um show inteiro com canções de Secos e Molhados. Uma época que deixou saudades e que irá ganhar uma nova roupagem a partir de agora. Estamos fazendo um resgate desta história, que terá a voz original de Ney Matogrosso com arranjos musicais de Nação Zumbi. Isso será incrível”, garante Zé Ricardo convidando o público a acompanhar de perto este momento. 

Entre as novidades que o público poderá ouvir no Rock in Rio será a apresentação da faixa exclusiva que Ney Matogrosso acaba de gravar com Nação Zumbi no Red Bull Studio, em São Paulo.

Sobre Ney Matogrosso

Com mais de 40 anos de carreira, Ney Matogrosso é reconhecido por sua voz marcante, movimentos cheios de personalidades e figurinos extravagantes. Conquistou o público por sua irreverência e sua voz aguda. O vocalista iniciou a carreira como integrante do grupo Secos e Molhados, mas foi em 1975 que lançou seu primeiro trabalho solo, "Água do céu - Pássaro", no qual gravou canções como "O corsário" (João Bosco e Aldir Blanc),"Bôdas" (Milton Nascimento e Ruy Guerra) e “América do Sul” (Paula Machado).  No ano seguinte, lançou o LP “Bandido”, composto por músicas de nomes como Gilberto Gil, Odair José e Rita Lee, que escreveu “Bandido Corazón”. Ney, que fez turnê pela Europa (1983), participou do Festival de Montreux, na Suíça, e foi responsável pelo primeiro show de abertura da primeira edição do Rock in Rio, em 1985, tem mais de 30 álbuns gravados. O mais recente é o “Atento aos sinais”, de 2012, que conta com um repertório de compositores consagrados, como Paulinho da Viola e Arnaldo Antunes.

Em 2015, o artista subiu ao Palco Mundo para uma participação especial e emblemática no “Tributo a Cazuza”, tema do show de abertura do primeiro dia do festival neste ano.

Sobre Nação Zumbi

Um dos principais nomes associados ao movimento do Manguebeat, que mistura rock, hip hop e música eletrônica ao ritmo nordestino, a banda Nação Zumbi foi criada nos anos 90, em Recife. Nesses mais de 20 anos de carreira, o grupo mantém praticamente sua formação original com Jorge Du Peixe (voz), Lúcio Maia (guitarra), Dengue (baixo), Pupillo (bateria), Toca Ogan (percussão), Da Lua e Tom Rocha (alfaias).

Nação Zumbi possui sete álbuns de estúdio – CSNZ (1998), Rádio S.Amb.A (2000), Nação Zumbi (2002), Futura (2005), Fome de Tudo (2007) e o mais recente Nação Zumbi (2014) – além de dois álbuns ao vivo que também viraram vídeos em DVD: Propagando ao Vivo (2006) e Ao Vivo no Recife (2007). Em 2015, Nação Zumbi dividiu o Palco Sunset do Rock in Rio com Lenine e Martin Fondse. Já em 2013, a banda tocou ao lado de Tulipa Ruiz.