Segundo dados recentes divulgados pela União Brasileira dos Promotores de Feiras (UBRAFE), em 2016 serão realizadas 2.220 feiras de negócios no Brasil. A região Sudeste é tradicionalmente a que mais sedia esse tipo de evento, com a fatia prevista de 48% do total, seguida da região Sul, com 30,6%. São dados relevantes para as agências de comunicação e, em especial, a Approach.

As feiras estão cada vez mais segmentadas e com intensa agenda paralela de congressos, workshops, palestras e cursos rápidos. A tendência global caminha para um modelo que combina aprimoramento e capacitação profissional aos negócios.

Nesse cenário, uma feira de negócios vai muito além da dobradinha expositor/comprador. Hoje em dia, as feiras oferecem também ações para população, interação com as marcas e o famoso network, ou seja, a troca de conhecimento entre os participantes e a formação de uma rede de contatos.

A divulgação de uma feira requer a máxima antecedência possível que viabilize um planejamento detalhado e foco na especialidade do evento. Deve-se planejar antecipadamente o relacionamento com a imprensa e com os formadores de opinião.

Além disso, dependendo da especialização da feira, é possível agregar previamente ações de comunicação com diversos stakeholders. É fundamental contar com uma equipe experiente, capaz de entender o segmento econômico daquela feira e o impacto daquele setor nas diversas esferas da economia, incluindo o cenário nacional e internacional.

É importante também situar o evento no contexto da cidade onde é realizado. Uma grande feira traz grande impacto para a economia local ao movimentar simultaneamente a cadeia de produção de seu segmento e a cadeia produtiva do mercado de eventos – resultando em algo muito positivo para a rede hoteleira, agências de turismo, restaurantes e até mesmo para o comércio do entorno do local.

O momento da feira é apenas a concretização de uma construção de imagem já estabelecida com os meios de comunicação, sendo a entrega de tudo o que foi construído anteriormente nas ações de relacionamento realizadas.

O jornalista que cobre uma feira já chega pautado, com entrevistas agendadas, e não está mais aberto a um novo release a ser entregue pelos assessores dos expositores. As ações com este profissional devem ser prévias; a visita à feira é apenas um momento de apresentação do que já foi anteriormente trabalhado.

Vale salientar que as feiras de negócios são consideradas um dos meios mais efetivos para o relacionamento com os clientes e uma ferramenta de marketing eficiente para acelerar processos de lançamento e geração de vendas para os expositores. É o momento em que muitas marcas lançam produtos e serviços, realizam negócios, apresentam resultados de pesquisas e estudos, além de estar à frente com potenciais clientes e parceiros. Assim, esse farto material que será apresentado no evento deve ser organizado para que todos obtenham o maior espaço possível de suas marcas nos canais mais aderentes ao assunto.

No próximo ano, mais de 32 mil empresas nacionais e 4,5 mil estrangeiras vão expor nos principais pavilhões brasileiros. Trata-se de uma enorme oportunidade de negócios e comunicação.

Cintia Magalhães
Gerente de Negócios (RJ)