Por Maria Estrella

Participei no sábado, dia 3 de junho, da Oficina de Fact-Checking da Agência Lupa, a primeira agência brasileira de notícias especializada na área, reconhecida dentro e fora do País. Surpreendentemente, apenas eu e outras duas pessoas éramos profissionais atuantes no mercado numa turma de 12 alunos. Deu gosto de ver essa garotada, estudantes de Comunicação, entusiasmada pela profissão.

As jornalistas Cristina Tardáguila (diretora) e Juliana Dal Piva (subeditora), junto com Douglas Silveira (diretor de marketing), contaram casos curiosos, apresentaram outras agências de renome (dentro e fora do Brasil) e, por mais óbvio que seja, ensinaram o que a gente vê na aula de “Introdução ao Jornalismo”, quando ainda estamos lá no nosso primeiro período: apurar, contestar, ouvir os dois lados e contextualizar.

Em tempos de ebulição política no Brasil e no mundo, redes sociais impactando e definindo as pautas das redações, notícias falsas interferindo na opinião popular e sendo vistas como determinantes até mesmo em resultados eleitorais — e junte-se a isso a queda acentuada de leitores e assinantes da imprensa tradicional —, produzir notícia com imparcialidade e ser referência de credibilidade é cada vez mais essencial. A diretora da Lupa, inclusive, chamou atenção para os profissionais de TI, especialistas em bancos de dados, que estão deixando esta chance passar. O cenário mundial se mostra extremamente positivo, não apenas para a checagem de fatos, mas também para um jornalismo mais independente, como este aqui.

Ela ressaltou ainda uma questão curiosa: as agências têm se debruçado sobre assuntos nacionais, mas, por outro lado, há uma enorme oportunidade para os checadores que quiserem investir no ultralocal: no seu bairro, na sua cidade, na sua câmara de vereadores, no seu prefeito. É um caminho ainda pouco explorado e que, por isso mesmo, se mostra absolutamente relevante.

No jornalismo diário, a tarefa de checagem se coloca como um enorme desafio: ela exige tempo para apurar, preparo com muita pesquisa, cultura geral (sempre!) e rigor absoluto com o resultado. Diversos jornais têm procurado a Agência Lupa em busca de treinamento, confirmando a necessidade cada vez mais urgente deste aperfeiçoamento entre suas equipes de redação. Nas situações de checagem em tempo real, a pressão se agiganta, mas foram mostrados exemplos inovadores, como o da agência argentina Chequeado.

Seguindo normas da International Fact-Checking Network (IFCN), a Lupa adota cinco princípios: 1) transparência total das fontes, citando nomes e não publicando nada em off ou que haja dúvida; 2) metodologia transparente na coleta de dados, explicando como faz e inserindo todos os links referentes aos dados checados; 3) transparência de financiamento, informando quem são os seus patrocinadores; 4) política de correção, assumindo e corrigindo erros de suas publicações e 5) apartidarismo, fazendo um jornalismo isento, sem defender qualquer linha ideológica de direita ou esquerda.

A atividade requer responsabilidade e respeito primordial à informação, matéria-prima de qualquer jornalista que se preze. Ela confirma ainda mais o seu valor para que tenhamos pessoas cada vez mais bem informadas, tanto em quantidade, quanto em qualidade, e que as pautas decorrentes das checagens de fatos revertam positivamente na política e na sociedade civil.

Este mesmo curso pode ser feito gratuitamente online e começa hoje, 5 de junho, neste link. Vai perder esta oportunidade?

Seguem alguns links mostrados em aula:

Outras agências de checagem de fatos:

https://aosfatos.org/

http://apublica.org/truco/

http://valongo.info/

http://factcheck.org/

http://www.politifact.com/

http://chequeado.com/

http://www.poderopedia.org/poderopedia/index/chapters

https://reporterslab.org/fact-checking/

http://www.fnpi.org/

http://piaui.folha.uol.com.br/lupa/2015/10/15/de-onde-vem-o-fact-checking/

Notícias Falsas:

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2017/02/1859808-como-funciona-a-engrenagem-das-noticias-falsas-no-brasil.shtml

http://noticias.r7.com/internacional/a-cidade-europeia-que-enriquece-inventando-noticias-e-influenciando-eleicoes-10122016

https://www.washingtonpost.com/news/monkey-cage/wp/2017/03/28/this-is-how-you-stop-fake-news/?utm_term=.d2f1fcc75816

Transparência:

https://jota.info/tudo-sobre/lava-jota

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/05/12/Como-est%C3%A1-a-aplica%C3%A7%C3%A3o-da-lei-da-transpar%C3%AAncia-por-Estados-e-munic%C3%ADpios

http://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/#/